As histórias não contadas dos prêmios de Academia

Olha só, nós amamos uma boa limusine e um tapete vermelho, não é mesmo? E quando se trata de prêmios da Academia, há muito mais histórias por trás dos holofotes que vão além do brilho e glamour. Essas lendas esquecidas, por vezes, merecem tanto o destaque quanto as nomeações em si. Então pegue sua pipoca e se aconchegue, pois nós vamos revelar as histórias não contadas dos prêmios da Academia!

Um Oscar de consolação?

As histórias não contadas dos prêmios de Academia

Acredite ou não, o rei da comédia Charlie Chaplin nunca recebeu um Oscar competitivo durante sua carreira. Após o exílio dos Estados Unidos durante a era McCarthy, ele só voltou a pisar em solo americano para receber um Oscar honorário em 1972. Muitos consideram este um prêmio de consolação, mas independentemente disso, esse gênio do cinema certamente merecia uma estatueta.

Quem não pode vencer, compra

As histórias não contadas dos prêmios de Academia

Steven Spielberg, aclamado diretor de Hollywood perdeu algumas vezes na categoria de melhor diretor. Mas ao invés de se deixar abater, Spielberg entrou em um leilão e comprou os Oscars de “Cavacante” (1933) e “Gone With The Wind” (1939), devolvendo-os então para a Academia. Quem disse que dinheiro não traz felicidade?

Uma piada ou verdade?

As histórias não contadas dos prêmios de Academia

A maior surpresa da noite na cerimônia de 1964 foi quando Sammy Davis Jr. entregou o prêmio para a Melhor Trilha Sonora Adaptada. No entanto, por um engano, recebeu o envelope errado e anunciou o vencedor para uma categoria totalmente diferente! Rapidamente, percebendo o erro, ele brincou com a situação, trazendo leveza a uma cena que poderia ser constrangedora.

A dor do não-reconhecimento

Mágico de Oz

Judy Garland, a eterna Dorothy de “O Mágico de Oz”, nunca venceu um Oscar competitivo. Esta história triste nos lembra que nem sempre as grandes performances são devidamente reconhecidas pela Academia. Mas, de toda forma, Judy é e sempre será uma lenda no coração dos fãs.

Final feliz?

La La Land

Na cerimônia de 2017, houve uma grande gafe quando “La La Land” foi erroneamente anunciado como vencedor do melhor filme, quando na verdade “Moonlight” era o verdadeiro vencedor. No final, “Moonlight” recebeu o prêmio que merecia. Foi uma demonstração de que, mesmo no glamouroso mundo da Academia, erros acontecem.

Por fim, a Academia é muito mais do que os vestidos deslumbrantes e as performances estelares do palco. Cada cerimônia esconde histórias reais, cheias de alegrias, tristezas e até mesmo alguma confusão. Mas isso não diminui o brilho, só mostra que por trás de toda a glória há seres humanos, fazendo o que amam, acertando e errando. Em suma, estas foram as histórias não contadas dos prêmios de Academia.